Comer, comer

O papel da nutrição na nova rotina tricolor

Jogadores seguiram cartilha nas férias e surpreenderam no retorno aos treinamentos

11 MAI 2020 15:30 | Atualizado em 11 MAI 2020 15:48 Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense

A rotina imposta pela pandemia do coronavírus obrigou todas as áreas do Departamento de Futebol do Grêmio a se adaptarem. No dia 16 de março, quando a temporada ainda não tinha completado dois meses de jogos, o Campeonato Gaúcho foi suspenso por tempo indeterminado e os jogadores se viram em casa, em isolamento e sem perspectiva de retornar aos trabalhos. Para não ter um grande déficit na forma física e evitar ganhos excessivos de peso, o grupo foi orientado de perto pelo nutricionista Guilherme Oliveira, que preparou uma cartilha aos atletas de modo a auxiliá-los na alimentação. E os cuidados foram agora estendidos ao Centro de Treinamentos Luiz Carvalho. Sem poder utilizar o refeitório, para respeitar o distanciamento social, o grupo recebe suplementação em um local montado de acordo com as indicações sanitárias.

“O momento atual é de muitos cuidados. Assim como nos treinos, a nutrição teve que ter cuidados. Optamos por orientar os atletas, e eles logo no início da pausa receberam um material com orientações nutricionais. E o que fizemos, de imediato, foi suspender as refeições no CT, até pelo refeitório ser um ambiente fechado. Eles estão vindo para o CT com a alimentação feita em casa, dentro dessas orientações. A única coisa que ofertamos aqui é uma suplementação pré e pós-treino”, contextualiza o nutricionista, desde janeiro no Clube.

A montagem de um protocolo adequado para receber os jogadores no CT foi pauta de profundos debates entre todos os departamentos envolvidos no dia a dia do futebol. Sob as orientações do Departamento Médico, o grupo de jogadores é submetido diariamente a mensurações de temperatura corporal e fez testes de imunidade para a COVID-19 na data da apresentação. No que diz respeito à nutrição, coube a Guilherme o estudo do que poderia ser ofertado aos atletas sem prejuízo ao distanciamento, chegando-se à conclusão de que os atletas poderiam receber a suplementação nutricional em um ambiente seguro e controlado dentro do Centro de Treinamentos.

“Para chegarmos nesse protocolo, nesse formato atual, foram feitas diversas reuniões on-line, na qual participaram membros da comissão e diretoria. Tudo foi discutido minuciosamente. Quando chegou na parte da alimentação, além dos estudos que temos, ampliamos os estudos para a área epidemiológica, para entender o coronavírus e entender o que seria viável. E dentro dessa organização entendemos que a suplementação poderia ser realizada de forma segura. Então temos, aqui, uma sala especialmente feita para isso. Ela tem acesso restrito aos nutricionistas, tem toda uma estrutura sanitária condizente com as normas de manipulação de suplementos. Essa suplementação é calculada por atleta, de acordo com a dosagem, com a quantidade de suplemento necessária tanto no pré quanto no pós-treino”, conta.

O resultado desses cuidados foi percebido no retorno dos atletas. Fisiologista também chegado ao Clube neste ano, Marco Aurélio Melo, o Marquinhos, foi responsável por alguns dos primeiros testes nessa retomada e elogia a forma que os jogadores se apresentaram.

“Podemos perceber que eles estiveram em treinamento durante o período de isolamento e férias. Alguns jogadores apresentaram resultados melhores que nos testes de pré-temporada, inclusive”.

O nutricionista Guilherme Oliveira também elogia os bons parâmetros apresentados pelos jogadores nos primeiros testes da semana.

“Dentro do padrão alcançado na pré-temporada, que foca muito na performance e composição corporal, grande parte do elenco seguiu as orientações passadas anteriormente e apresentaram resultados muito satisfatórios. Claro que há ajustes, mas no peso corporal houve uma surpresa positiva”.

Quem melhor pode atestar a importância das orientações nutricionais são os jogadores. O volante Lucas Silva revela que a comunicação durante o isolamento e o período de férias antecipadas foi constante.

“A gente sempre teve constante comunicação com o Clube e os profissionais da área. Eles nos orientaram a tomar muita água, não deixar a parte da alimentação e nem os treinamentos de lado, para realizar sempre que possível. Tive contato sempre e, mesmo longe, foi possível praticar, tanto que as avaliações foram muito boas por conta desse contato que tivemos”, diz.

Fazendo as refeições em casa de acordo com as orientações e recebendo a suplementação adequada antes e depois dos treinamentos, os jogadores do Grêmio têm acesso à melhor preparação possível nesse período de rotinas alteradas. E o resultado dessa atenção será visto em campo, tão logo as partidas sejam retomadas.

“Um atleta com boa coordenação motora, bom drible, um bom defensor só vai conseguir desenvolver essa função se estiver bem nutrido, bem alimentado. Durante o jogo o atleta usa o estoque de energia que a alimentação fornece. E quando o alimento não fornece o necessário, nós temos a suplementação. Ela existe para suprir essa lacuna que pode existir, devido ao calendário, à rotina. E esse atleta, estando alimentado, hidratado, consegue performar melhor, diminuir a incidência de lesões, recuperar melhor, apresentar um segundo tempo tão produtivo quanto um primeiro. Então a nutrição é um dos pilares do bom rendimento, da alta performance. E o que tentamos fazer no Grêmio é trazer o que tem de mais novo, de melhor matéria-prima”, finaliza Guilherme.

Fotos: Lucas Uebel / Grêmio FBPA